Eficiência energética na indústria

17 de setembro de 2020
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

O acréscimo acelerado da quantidade e da utilização de aparelhos elétricos em todos os principais setores da economia tem levado ao respectivo aumento no consumo de energia, o que, por consequência, afeta o meio ambiente.

Neste cenário, o uso mais eficiente de energia é essencial em um processo de desenvolvimento sustentável. Tecnicamente falando, a eficiência energética consiste na relação entre a quantidade de energia empregada em uma atividade e aquela disponibilizada para sua realização.

Em outras palavras a eficiência energética é a utilização racional de energia através da redução do seu consumo, mantendo-se os mesmos serviços, sem reduzir o conforto e a qualidade de vida, protegendo o meio ambiente e garantindo o suprimento com um comportamento sustentável em seu uso.

A eficiência energética é uma das maneiras mais fáceis e econômicas de combater as mudanças climáticas, limpar o ar que respiramos, melhorar a competitividade de nossos negócios e reduzir os custos com energia para os consumidores. Podemos até mesmo considerá-la como a “fonte de energia” mais barata a ser explorada!

Compreendemos, então, a razão da eficiência energética ser um dos 10 compromissos básicos do Protocolo de Kyoto (criado em 1997 e em vigor desde 2005) para os países signatários alcançarem a meta de redução dos gases poluentes.

Apesar disso, globalmente, dois terços do potencial econômico da eficiência energética permanecem inexplorados. Segundo a Agência Internacional de Energia (IEA), 70% do uso da energia elétrica no mundo ocorre fora de quaisquer requisitos de desempenho de eficiência.

Em um período de três anos, 2014 a 2016, o desperdício de energia custou ao Brasil R$ 61,7 bilhões, de acordo com o levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (ABESCO).

Globalmente a indústria é, de longe, a maior consumidora de energia elétrica, sendo no Brasil responsável por 41% do total. Ainda em nosso país, segundo a publicação “Bloco Especial sobre Indústria e Energia da Sondagem Empresarial” realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2015, o insumo energia elétrica é estratégico, utilizado por 79% das empresas e podendo representar mais de 40% de seus custos de produção.

Logicamente, sendo um dos principais insumos dessa cadeia, é fundamental a sua utilização de maneira racional e econômica tanto quanto possível. Esta relevância é ainda maior nas chamadas indústrias eletrointensivas: alimentícia, celulose e papel, química básica, refino de petróleo, siderúrgica, metais não ferrosos (principalmente alumínio) e minerais não metálicos (principalmente cimento).

Na indústria, as perdas de energia on-site, isto é, a energia perdida no sistema devido às ineficiências de equipamentos, limitações operacionais termodinâmicas, distribuição de energia na planta e na conversão de energia em trabalho útil, representam alvos imediatos para melhorias na eficiência energética.

De acordo com um estudo da “Energy Information Administration (EIA)” dos Estados Unidos, em média 22% da energia é perdida dentro dos limites da planta industrial antes de chegar ao processo. Da energia efetivamente entregue ao processo, de 20% a 50% também pode ser perdida nas formas de desperdício em calor, queimas e subprodutos, entre outras.

Em geral, as perdas podem ser reduzidas com a adoção de tecnologias mais eficientes, melhor integração entre dissipadores de calor e fontes dentro da planta, aumento da utilização da energia não aproveitada e melhores práticas de operação e manutenção.

A redução de perdas on-site tem um duplo efeito, uma vez que será necessário menos energia a ser produzida pela fonte primária, principalmente nas indústrias eletrointensivas.

A última “Pesquisa de Posse e Hábitos de Uso de Equipamentos Elétricos – PPH” da Eletrobrás/Procel mostrou que a força motriz é responsável por 68,3% do consumo de energia elétrica na indústria.

De acordo com a EIA, aproximadamente metade da eletricidade usada globalmente é consumida em sistemas de motores elétricos. O setor industrial responde por mais de 60% do consumo de eletricidade dos motores em todo o mundo, sendo o restante consumido no setor comercial, agricultura e transporte. Globalmente, a demanda total por uso de energia em motores industriais mais que duplicará até 2040, sendo a China e a Índia responsáveis pela metade deste aumento.

É importante comentarmos que uma significativa parte do parque industrial possui máquinas com mais de duas décadas de funcionamento, projetadas antes das novas tecnologias de gestão de energia.

O maior potencial de economia de energia nos sistemas com motores elétricos geralmente não está no próprio motor, mas sim nas outras partes do sistema. Normalmente o que se percebe é um entendimento limitado sobre o custo da melhoria da eficiência e o potencial de economia de energia.

O motor é apenas um dos componentes do sistema de força motriz, sendo que as melhorias nos demais componentes deste sistema e/ou inclusão de novos dispositivos é que efetivamente serão responsáveis por até 90% do resultado a ser obtido em eficiência energética.

Além da substituição de motores antigos por motores novos de alto rendimento, para melhorar a eficiência operacional do sistema de força motriz, o usuário pode também adotar o inversor de frequência (VFD – Variable Frequency Drive).

É possível conectá-lo ao sistema através de cabos elétricos especialmente projetados para as condições de operação dos VFDs, ou seja, cabos que contribuem com a manutenção da vida útil do sistema. Com a utilização do VFD é possível reduzir o consumo de energia elétrica no sistema de força motriz em pelo menos 30%. Por fim, logicamente, não poderíamos deixar de dizer que motores de alto rendimento, mais eficientes e compatíveis com dispositivos de melhoria de controle e eficiência estão disponíveis no mercado.

 

FONTE:
POTENCIA PORTAL

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.


A Cipa Fiera Milano é especializada em feiras de negócios e publicações técnicas e tem como objetivo, aproximar organizações e criar oportunidades de relacionamentos, por meio da realização de grandes feiras e publicação de revistas setorizadas na América Latina.

Receba Nossa Newsletter

Seu nome

Seu e-mail

 Sim, eu quero receber comunicações do Grupo Cipa Fiera Milano
 Sim, eu quero receber comunicações dos parceiros do Grupo Cipa Fiera Milano
 Sim, eu concordo com os termos de uso e com a Política de Privacidade do Grupo Cipa Fiera Milano

Fale Conosco

Avenida Angélica, 2491 - 20 andar - Cj. 204

Telefone:
+55 11 5585.4355
+55 11 3159-1010

E-mail: info@fieramilano.com.br

Website: www.cipafieramilano.com.br

Copyright by Ecoenergy 2020. All rights reserved.