07 a 09 de Junho de 2022

13h às 20h
SÃO PAULO EXPO / SP

(11) 5585-4355 / (11) 3159-1010

comercial@fieramilano.com.br

Fiera Milano Brasil

07 a 09 de Junho de 2022

13h às 20h
SÃO PAULO EXPO / SP

Cipa Fiera Milano
Cipa Fiera Milano

Setor energético passa por revolução para se tornar mais sustentável, flexível e eficiente

15 de junho de 2022
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Na abertura do Congresso Ecoenergy os especialistas convidados traçaram um panorama da matriz elétrica brasileira.

Nesta terça-feira (7 de junho de 2022), na abertura do Congresso Ecoenergy – Feira Internacional de Tecnologias Limpas e Renováveis para a Geração de Energia, os especialistas convidados traçaram um panorama da matriz elétrica brasileira. Todos concordaram em um ponto: embora o País esteja bem posicionado no setor, há diversos desafios de curto e longo prazo para que os consumidores tenham acesso à energia limpa de forma sustentável e econômica.
“O Brasil está na vanguarda, o desafio é evoluir na transição e diversificação, e integrar novas tecnologias para permitir que todos tenham acesso à energia limpa de uma forma sustentável e econômica”, afirmou Thadeu Silva, Chief Generation Officer da Cemig. Ele mencionou como tendências a captura do CO2 da atmosfera para transformá-lo e reutilizá-lo, o hidrogênio verde e o biogás – isso é, a geração de energia a partir de aterros sanitários.
Marcos Meireles, CEO Rio Energy, centrou sua apresentação no contexto global, mais volátil, incerto e complexo, mas, ao mesmo tempo, com uma sociedade cada vez mais ciente de sua responsabilidade. “O mundo está sendo empurrado para a sustentabilidade, e isso se vê especialmente no setor energético”, disse. “Nos últimos cinco anos — e isso foi muito rápido — as fontes de energia limpa, como solar e eólica, se tornaram mais eficientes e competitivas que as fontes fósseis”.
Segundo Meireles, o cliente exige não só respeito aos requisitos ESG, mas deseja também eficiência, comodidade, flexibilidade e liberdade de escolha. Isso tem feito com que o setor energético aposte em descarbonização, descentralização, digitalização e democratização. “Nosso modelo de negócio vem migrando do B2B para o B2C, do foco no produto para o foco no serviço — se desvencilhando da comoditização – e da geração centralizada para a distribuída”, explica.
Essa migração só é possível com a ajuda das novas tecnologias, cada vez mais inseridas nos processos das empresas de energia. São ferramentas como big data, inteligência artificial, internet das coisas, data science e blockchain, que, de acordo com Meireles, permitem que se entregue ao cliente um serviço efetivo e de qualidade, seja ele quem for.

Pesquisas no campo da energia precisam se transformar em negócios sustentáveis, defendem especialistas

No painel do Congresso Ecoenergy dedicado à Pesquisa & Desenvolvimento, os palestrantes enfatizaram a importância de fomentar a cooperação e de fechar os elos entre soluções, pessoas e resultados.
“As soluções que nascem em centros de excelência precisam ser adaptadas e oferecidas ao mercado. As pesquisas do campo da energia devem se transformar em negócios, em nota fiscal”, afirmou José Bione de Melo Filho, Gerente de P&D da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf). Ele deu como exemplo o hub de inovação recentemente criado pela Chesf que toma proveito dos talentos locais — estudantes, acadêmicos, pesquisadores – e tem como foco atender demandas das empresas.
De acordo com Luiz Fernando Vianna, CEO Lactec, as grandes companhias têm revisto estruturas internas para acelerar a inovação. “A pesquisa é integrada aos processos e os projetos têm seus prazos reduzidos”, disse. Ele ressaltou, porém, que o Brasil tem ido na contramão do mundo: na pandemia, muitos setores receberam incentivos, mas o de ciência e tecnologia conviveu com cortes.

Eduardo Lima, Gerente de P&D do Instituto Eldorado, e Rosário Cannata, executive investment manager da EDP Ventures, teceram elogios ao conceito de ciência aberta, mas destacaram que é preciso desburocratizar. “Políticas de financiamento têm que acompanhar a velocidade da inovação. E o Brasil precisa, rapidamente, começar a aproveitar mão de obra qualificada que possui — do contrário, ela vai embora”, afirmou Lima.
Baterias que duram até cinco anos

A PowerSafe, importadora e distribuidora de baterias especiais, trouxe para a área de exposição da Ecoenergy baterias que se encaixam perfeitamente para aplicações de energia solar, como a Freedom e a Get Power. Segundo a empresa, elas duram até quatro vezes mais tempo que as concorrentes — entre quatro e cinco anos.
Outra vantagem de seus produtos é o chamado “Power Frame” que evita a corrosão das grades e prolonga a vida útil. De acordo com a empresa, a boa resposta do mercado às baterias se deve a qualidades como segurança, autonomia e desempenho.
Greenpeace usa realidade virtual

A renomada ONG decidiu explorar uma nova tecnologia — a realidade virtual — para mostrar aos visitantes a degradação dos nossos oceanos, provocada em grande medida por ações dos seres humanos.

O objetivo com a ação é promover a conscientização de empresas e consumidores, e reforçar a importância da energia sustentável para a preservação do meio ambiente.

Ecoenergy 2022

Data: 07 a 09 de junho
Horários: Congressos – 9:30h às 18h | Feira – 13h às 20h
Local:  Rod. dos Imigrantes, km 1,5 – Vila Água Funda, são Paulo – SP
www.feiraecoenergy.com.br

 

FONTE:

Energia e Biogás

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

CONGRESSO ECOENERGY 2022

Garanta já sua Participação em
um dos Maiores Congressos de
Energias Limpas e Renováveis
do Brasil.
INSCRIÇÕES ABERTAS
close-link